mielomeningocele

O que é mielomeningocele?

A mielomeningocele é uma doença congênita que afeta a criança durante a sua formação ainda na barriga da mãe. Trata-se de uma malformação na coluna vertebral que faz com que a medula, as meninges e os nervos fiquem para fora do corpo, criando um cisto nas costas do bebê. O problema é um tipo grave de espinha bífida. Provavelmente você nunca ouviu falar em espinha bífida, não é mesmo? Este tipo de patologia congênita se caracteriza pelo fechamento incompleto do tubo neural, que é uma estrutura que dá origem ao cérebro e à medula espinhal do feto. Portanto, a mielomeningocele é um problema no desenvolvimento da criança e está relacionado a alguns fatores que falaremos a seguir.

O que causa a mielomeningocele?

As ciências médicas ainda não conseguiram descobrir o que causa malformações como a mielomeningocele. O que se sabe é que este tipo de patologia está relacionada à fatores genéticos, ambientais e à deficiência de ácido fólico no organismo da mãe. O não fechamento correto da coluna do feto, chamado de espinha bífida, acontece ainda nos primeiros meses de gestação. No processo de formação normal de um bebê, as duas partes da espinha dorsal se fecham para proteger a medula, meninges e nervos. No entanto, há casos em estes dois seguimentos vertebrais não se fecham corretamente. Sendo assim, medula, meninges e nervos ficam expostos, caracterizando a malformação conhecida como mielomeningocele. Existem alguns fatores de risco para o desencadeamento desse problema na formação do bebê. São eles:
  • Histórico familiar;
  • Carência de ácido fólico;
  • Sexo (o problema afeta mais meninas do que meninos);
  • Diabetes materna;
  • Uso de medicamentos anticonvulsivos durante a gestação;
  • Obesidade antes da gravidez.

Como identificar o problema?

A mielomeningocele pode ser observada a partir da presença de um cisto localizado no meio ou na parte inferior da coluna vertebral do bebê no momento da nascimento. Em alguns casos, há pele encobrindo este cisto. Em outros, não, o que coloca a vida da criança em risco devido à possibilidade de infecções. A malformação pode comprometer o sistema neurológico, podendo causar paralisia, convulsões, pés deformados, escoliose, hidrocefalia, problemas na bexiga e no intestino, além de pêlos na região do sacro.

Tratamento

O tratamento para o problema é cirúrgico. Em até 48 horas após o nascimento, o bebê deve ser submetido a uma operação para colocar a medula espinhal e o tecido exposto dentro do seu corpo. Alguns médicos defendem que a cirurgia deva ser feita antes do bebê nascer. No entanto, este é um procedimento de alta periculosidade já que coloca em risco a vida da mãe e do filho. No entanto, é importante ressaltar a importância do diagnóstico precoce no caso de uma malformação congênita, já que isso prepara mãe e filho para o caso da descoberta do problema. Por isso, mulheres grávidas devem se submeter a todos os procedimentos de pré-natal. Com o exame de sangue realizado durante este período, é possível apontar algum tipo de espinha bífida. Além dele, outros podem auxiliar em um diagnóstico mais preciso da doença, como as ultrassonografias e a amniocentese. Se você está grávida ou quer ter um filho e tem fatores de risco para um problema de malformação congênita, converse com o seu médico. Ele pode te ajudar a prevenir que o bebê nasça com mielomeningocele. Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião de coluna vertebral em Cuiabá!
Comentários
Dr. Carlos Augusto Costa Marques

Posted by Dr. Carlos Augusto Costa Marques