metástase da coluna vertebral

Tire suas dúvidas sobre a metástase da coluna vertebral

Dor na lombar e fraqueza dos ossos são os primeiros sintomas da metástase da coluna vertebral. Apesar de pode ser confundida com outras dores na coluna, quando descoberta em estágio inicial, a metástase pode ser tratada e promover a melhora na qualidade de vida do paciente.

De acordo com as análises feitas, são raros os casos em que os tumores da coluna sejam oriundos das células que compõem a própria região. Na maioria dos casos, a metástase da coluna vertebral ocorre quando as células cancerosas se rompem do tumor original e percorrem o corpo, sendo levadas para os ossos por meio do sistema linfático ou sanguíneo.

De acordo com pesquisas, alguns tumores apresentam maior predisposição para produzir metástase para coluna vertebral. São eles: pulmão, mama, próstata e tumores do trato gastrointestinal. Além disso, a doença é mais comum em adultos, entre 35 e 60 anos, com leve predileção pelo sexo masculino.

Apesar de poder afetar toda a coluna, o local mais comum da metástase é a coluna torácica, principalmente no segmento de T4-T7, com 65% dos casos. Seguido pela coluna lombossacra em 25% e cervical em 15 % das vezes. Metástase em múltiplos locais ocorre em 25 a 30% dos casos.

Sintomas da metástase da coluna vertebral

Os sintomas do câncer na coluna, na maioria das vezes, costumam se concentrar na própria região. Por isso, a dor óssea é muitas vezes o primeiro sintoma da metástase óssea. Ela tende a piorar à noite, se tornar constante e até prejudicar as atividades do paciente.

As fraturas também podem ser um sinal da doença metastática. Ela pode acontecer com uma queda ou lesão, ou pelo enfraquecimento dos ossos, que pode quebrar durante as atividades cotidianas. Essas fraturas muitas vezes causam dor súbita e intensa.

Os locais mais comuns de fraturas são os ossos longos dos braços e pernas e os ossos da coluna vertebral. Dor repentina na coluna também é um sintoma comum de fratura óssea na coluna vertebral.

O crescimento do câncer nos ossos da coluna vertebral também pode pressionar a medula espinhal, causando a chamada compressão da medula espinhal. Normalmente, essa compreensão pode danificar os nervos, levando a sintomas como dormência e fraqueza na área do corpo abaixo do tumor, pescoço, braços e pernas.

Algumas pessoas chegam a encontram dificuldade em urinar ou apresentam paralisia, geralmente em estágios mais graves.

Vale a pena ressaltar, que muitas vezes a dor pode ser confundida com outros problemas ou ainda com uma simples fratura da coluna e, por isso, é importante ficar atento aos demais sinais e procurar por um médico imediatamente.

Diagnóstico e tratamento

As metástases ósseas podem ser diagnosticadas muito antes de o paciente sentir os primeiros sintomas associados à doença. É por isso que, se houver o diagnóstico de câncer, é importante seguir a orientação médica e realizar todos os exames específicos solicitados e estar atento a qualquer dor incomum.

O diagnóstico da metástase da coluna vertebral é realizado com a ajuda de exames, como raio-x, tomografia e ressonância magnética, que permitem encontrar o tumor por meio das imagens.

Devido à sua gravidade, a metástase espinhal necessita de diagnóstico rápido e preciso, bem como tratamento individualizado a fim de evitar lesão neurológica irreversível. Com o diagnóstico precoce e tratamento preciso pode-se prevenir e reverter a maioria dos danos neurológicos produzidos por essa patologia.

A abordagem da doença deve ser multidisciplinar envolvendo oncologista, radioterapeuta, Cirurgião de coluna , psicólogo, fisioterapeuta e envolvimento da família.

O tratamento do câncer na coluna pode variar muito de acordo com o caso, tipo de tumor, estágio, localização e riscos para o paciente. Quando a situação exige um tratamento sistêmico, as principais vias são a quimioterapia antineoplásica, o tratamento hormonal (no caso dos cânceres de mama e de próstata, por exemplo) e os isótopos radioativos.

Se as lesões forem localizadas, a indicação mais frequente é de cirurgias ortopédicas e de radioterapias. A radioterapia vem sendo utilizada como tratamento padrão para metástases espinhais, com evidência de boa eficácia para o controle da doença localmente e por melhorar as dores do paciente.

As principais indicações para tratamento cirúrgico das metástases para coluna espinhal são: tumor primário desconhecido, fratura patológica e sinais de instabilidade, quadro compressivo com sinais clínicos de sofrimento mieloradicular e sinais de recidiva ou progressão da doença após radioterapia.

Entre as cirurgias ortopédicas mais comuns está a fixação com parafusos. Eles podem ser implantados através de métodos minimamente invasivos, por meio de pequenas incisões na pele e uso de guias especiais, para preservar a musculatura e reduzir o sangramento.

Em casos mais graves, os métodos minimamente invasivos, também, podem não ser suficientes, em especial quando existem compressões neurológicas e paraplegia. Nesta situação, as cirurgias convencionais podem ser a melhor opção.

As opções de tratamento para as metástases na coluna são grandes e a escolha da melhor forma depende da avaliação de diversos fatores. Cada paciente deve ter seu caso analisado em conjunto com toda equipe oncológica, e, principalmente com participação ativa do paciente e seus familiares, que devem ter o máximo de informações sobre os métodos disponíveis, bem como a relação de riscos e benefícios de cada um deles.

O estado de saúde do paciente e a expectativa de vida é fundamental para a escolha do melhor método. A regra é sempre utilizar o procedimento menos invasivo e de reabilitação mais rápida, com o menor tempo possível de internação, mas que seja suficiente para dar sustentação suficiente para os ossos fragilizados e que obtenha, quando necessário, descompressão das estruturas neurais.

Desta forma, toda a equipe deve trabalhar em conjunto para proporcionar um planejamento realista do tratamento, que deverá promover a recuperação mais rápida e eficiente possível, com o mínimo de impacto na continuidade do tratamento oncológico de forma global.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião de coluna vertebral em Cuiabá!

 

Comentários
Dr. Carlos Augusto Costa Marques

Posted by Dr. Carlos Augusto Costa Marques