Espondilite Anquilosante

Você já ouviu falar da espondilite anquilosante?

O nome espondilite anquilosante pode parecer estranho e até mesmo um pouco assustador. Mas, na verdade, o problema a que ele se refere trata-se de algo que ainda não tem cura e afeta as articulações da coluna e de outras partes do corpo, como quadril, joelhos e ombros.

A inflamação torna a região atingida menos flexível. Quando atinge a coluna, é comum que o paciente fique sempre curvado para frente, formando uma corcunda. Nos casos em que afeta as costelas, torna-se difícil respirar profundamente.

Conheça agora quais são os sintomas, as causas e o tratamento indicado para tal alteração

Causas da espondilite anquilosante

A causa dessa inflamação ainda é desconhecida. O que se sabe é que costuma atingir mais homens que mulheres, sendo que as vítimas do problema costumam estar na faixa etária dos 20 aos 40 anos. Acredita-se que um facilitador genético, conhecido como HLA-B27, possa contribuir para o aparecimento da doença.

Apesar disso, as chances de se passar a doença para os filhos é bastante pequena, ficando na casa dos 15%. O facilitador genético é hoje tido como uma das principais causas do problema pelo fato de que, de acordo com pesquisas, 76% dos brasileiros que têm a doença apresentarem o HLA-B27.

Sintomas da inflamação

Dentre os sintomas dessa doença, estão:

  • dor em parte da coluna ou em toda ela;
  • inchaço nas articulações (principalmente ombros, joelhos e tornozelos);
  • dor no calcanhar;
  • rigidez no corpo ao acordar;
  • dor na lombar;
  • rigidez no quadril;
  • fadiga frequente;
  • curvatura para a frente das costas (corcunda);
  • dificuldade em respirar profundamente (sensação de falta de ar ou algo apertando os pulmões).

Vale comentar que os sintomas variam de acordo com a região afetada. Quando a inflamação atinge apenas a coluna, o mais comum é sentir dores, rigidez e necessidade de curvar as costas para frente.

Como é feito o tratamento

Como a espondilite anquilosante não tem cura, o tratamento dela visa amenizar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente. É recomendado o uso de medicamentos anti-inflamatórios não hormonais para aliviar a dor, mas também a fisioterapia, que tem papel bastante importante.

Além de fortalecer os músculos e melhorar a mobilidade, a fisioterapia tem o objetivo de ajudar o paciente a respirar melhor.

Raramente é recomendada a cirurgia para o tratamento dessa inflamação. A não ser que seja identificado que, além da doença, o paciente possua algum outro problema de coluna ou nas articulações.

Quanto antes é iniciado o tratamento para a doença, melhor é o prognóstico. Observa-se aumento na qualidade de vida do paciente e redução no avanço da inflamação. Quando atinge a coluna, se tratada logo no começo, é possível evitar a curvatura para frente e o aparecimento de outros problemas, principalmente na região da lombar.

Como você pode ver, a espondilite anquilosante é uma doença de causas desconhecidas, mas que possui bons tratamentos, os quais garantem que o paciente possa levar a vida normalmente.

O especialista de coluna deve atuar em conjunto com o reumatologista nesta patologia.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião de coluna vertebral em Cuiabá!

Comentários
Dr. Carlos Augusto Costa Marques

Posted by Dr. Carlos Augusto Costa Marques