Espondilite ancilosante: o que é e como tratar

Espondilite ancilosante (ou anquilosante) é uma condição inflamatória crônica, que não possui ainda uma cura definitiva. O problema manifesta-se nas articulações do chamado esqueleto axial, sobretudo do quadril, coluna, joelhos e ombros.

No entanto, a inflamação acomete outras áreas do corpo, como os olhos, por exemplo. A patologia leva as vértebras a se fundirem, o que as torna menos flexíveis. Por consequência, às vezes, a postura das pessoas acometidas pode se curvar para frente. Além disso, caso as costelas sejam afetadas, é possível que haja dificuldade para se respirar profundamente.

A causa do problema permanece desconhecida, porém, estudos apontam um fator genético facilitador, nomeado HLA-B27. A porcentagem de pacientes com espondilite que apresentam tal marcador genético alcança 90% nas nações escandinavas. No Brasil, devido à miscigenação de etnias, a correlação está em cerca de 76%. Para entender melhor sobre o assunto, continue a leitura.

Quais são os sintomas da espondilite ancilosante?

Entre os sintomas recorrentes da espondilite, estão:

  • dores intermitentes na lombar;
  • dor na coluna;
  • rigidez matinal;
  • dores e edema nas articulações de joelhos, ombros e cotovelos;
  • dor atenuada pela prática de exercícios;
  • dor na região entre a pelve e a coluna vertebral.

O diagnóstico passa pela averiguação das queixas do paciente na consulta com o profissional de saúde. Para ajudar na comprovação, o médico pode pedir exames de imagem, como radiografias ou ressonância magnética, para identificar eventuais alterações em ossos e tecidos.

Mas, afinal, como é possível tratar a condição?

O padrão ouro de tratamento para espondilite ancilosante consiste no uso de medicamentos para conter a inflamação e a evolução da patologia. Entre os fármacos prescritos com maior frequência estão:

  • analgésicos (para atenuar a dor);
  • relaxantes musculares;
  • anti-inflamatórios não hormonais.
  • Imunomoduladores

Cabe mencionar que os remédios costumam ser receitados conforme a fase da espondilite.

Além disso, são recomendadas sessões de fisioterapia e exercícios para aprimorar a mobilidade das articulações atingidas pelo problema. Se o paciente observar a conduta recomendada, é possível notar uma melhora significativa no quadro, ainda que a enfermidade não tenha cura.

Conforme a severidade do caso, o especialista pode ainda indicar uma cirurgia. No geral, a operação é utilizada quando o distúrbio atinge o quadril e é raramente necessária se acontece na coluna. Aqui, é importante destacar que os resultados mais satisfatórios são alcançados quando o diagnóstico é realizado de modo precoce.

Quando o tratamento convencional não garante o efeito desejado, por vezes é sugerida a terapia biológica. Essa técnica consiste em injeções com medicamentos para atuar contra a inflamação, a dor e as mudanças imunológicas vistas nas pessoas afetadas pela espondilite.

Ainda que a espondilite ancilosante tenda a ficar menos ativa conforme o tempo passa, os cuidados devem ser preservados por toda a vida. Com isso, torna-se possível garantir o bem-estar dos indivíduos.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião de coluna vertebral em Cuiabá!

Comentários
Dr. Carlos Augusto Costa Marques

Posted by Dr. Carlos Augusto Costa Marques