escoliose neuromuscular

O que é escoliose neuromuscular?

A escoliose neuromuscular abarca uma série de problemas que têm relação direta com o enfraquecimento da coluna. Dessa forma, há perda da força ou desestabilização do controle precário dos músculos da região, causando uma série de dificuldades ao paciente, como problemas ao respirar, manter-se em pé e com a coluna reta, mesmo em cadeiras de rodas adaptadas.

A condição acomete principalmente as crianças pequenas e faz com que a coluna tenha uma curvatura em formato de ‘C’, criando dificuldade para o paciente sustentar o próprio peso do corpo. É intimamente ligada a doenças de ordem genética, síndromes e paralisias cerebrais, com sintomas e tratamentos específicos.

Causas da escoliose neuromuscular

O paciente portador desse quadro pode desenvolver a doença devido a uma série de outras patologias que enfraquecem os músculos da região da coluna. Confira a seguir.

  • Distrofia muscular: esse tipo de problema neuromuscular é degenerativo, causando fraqueza nas regiões afetadas – como a coluna.
  • Paralisia cerebral: danos permanentes no cérebro que impedem a “comunicação” dele com os músculos da coluna.
  • Espinha bífida: conhecida como mielomeningocele, também contribui na formação da escoliose neuromuscular. É uma malformação congênita ainda na fase embrionária e que atinge os ossos e a medula, diminuindo o controle dos músculos da coluna.
  • Síndrome de marfan: uma doença genética que causa desordem do crescimento de tecidos e afeta diretamente a estrutura óssea e, consequentemente, os músculos da coluna.
  • Trauma raquimedular: alterações na medula decorrentes de um trauma e que alteram o desenvolvimento muscular, principalmente em pacientes mais novos.

Sintomas da doença

Os sintomas da escoliose neuromuscular são variáveis e se apresentam de acordo com as causas da doença. É preciso identificar a patologia, que, em alguns casos, pode conter sinais que são confundidos com outros tipos de escoliose ou problemas decorrentes da coluna. Dentre os principais sintomas, estão:

  • incapacidade de manter-se ereto, mesmo com um apoio para colocar as costas;
  • incapacidade de sustentar o peso do próprio tronco ao ficar em pé;
  • dores nas costas e cansaço crônico, mesmo sentado;
  • quadris descompassados – apresentando curvatura para um dos lados;
  • ombros e membros maiores que os outros;
  • saliência do osso clavicular.

Tratamentos

Ao conhecer as causas e identificar os sintomas, o paciente precisa procurar ajuda médica especializada, que abarca uma série de profissionais de diversas competências, para encontrar o tratamento adequado para cada caso. Isso porque há uma série de fatores, como as causas e a idade do paciente, que precisa ser avaliada.

O tipo de tratamento mais comum é a cirurgia que visa impedir que essa escoliose possa avançar no paciente. Porém, uma análise dos exames feitos por ressonância magnética ou radiografia contribui em outras formas de tratamento, como o emprego de órteses (cintos específicos envoltos na coluna) e cadeiras especiais, evitando o processo cirúrgico.

Dessa forma, identificar precocemente e tratar a escoliose neuromuscular contribui para uma melhor qualidade de vida do paciente, principalmente as crianças, visto que essa doença pode progredir com o crescimento delas – sendo interrompida, apenas, quando as estruturas ósseas e musculares pararem de crescer.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião de coluna vertebral em Cuiabá!

Comentários
Dr. Carlos Augusto Costa Marques

Posted by Dr. Carlos Augusto Costa Marques