cifose

Tudo o que você precisa saber sobre cifose

A coluna vertebral é o centro do esqueleto humano. Ela é responsável por manter a postura ereta, possibilitar a movimentação dos membros superiores e inferiores, proteger a medula espinhal e dar suporte ao peso do corpo. Para que tudo isso seja possível, ela é composta por 33 ossos superpostos, que recebem o nome de vértebras. Desse conjunto, 24 vértebras são móveis (sete cervicais, 12 torácicas e cinco lombares). Outras não se movimentam.

Se observada de lado, a coluna vertebral possui algumas curvaturas naturais, resultado da adaptação natural do corpo humano às posições adotadas nas diferentes fases do desenvolvimento motor.

As curvaturas estão na região do pescoço (lordose cervical), do tórax (cifose torácica), da cintura (lordose lombar) e da bacia (cifose sacrococcígea), que lhe conferem o aspecto de um S.

Dessa forma, a cifose pode ser caracterizada pela curvatura fisiológica nas regiões torácica e sacracocígea da coluna vertebral quando vista de perfil, ou como a hipercifose, ou seja, o aumento pronunciado da curvatura para trás, no sentido ântero-posterior da região torácica da coluna.  

Características da cifose

A principal característica da cifose é a chamada posição “corcunda” quando, normalmente a pessoa apresenta o pescoço, os ombros e a cabeça inclinada para a frente. A deformidade acontece aos poucos e nem sempre apresenta sintomas, além da aparência física. Pacientes que apresentam sintomas relatam dor, fadiga e rigidez da coluna.

Por ser uma doença idiopática, a cifose não tem uma causa concreta. Ela pode ter explicação genética ou ser provada por anomalias congênitas ou adquiridas ao longo da vida. Além disso, pode estar associada a alterações ósseas, musculares ou neurológicas do organismo. Não podemos descartar também os hábitos posturais inadequados, a falta de atividade física e o enfraquecimento da musculatura intravertebral.

Algumas pesquisas também ressaltam que a cifose pode estar associada a outras enfermidades como a osteoporose, a osteocondrose espinhal (doença de Scheuermann, que afeta adolescentes na fase de pico de crescimento), espondilite anquilosante, poliomielite, tuberculose, entre outros.

Ao contrário do que muitos pensam, a cifose não é uma doença da vida adulta, ela pode aparecer em qualquer fase do desenvolvimento humano. Por isso, é possível encontrar crianças e adolescentes com cifose (normalmente afeta meninos muito altos para a idade e as meninas em período de desenvolvimento da mama).

Sintomas e diagnóstico da cifose

Além da questão estética, a cifose pode, em alguns casos, causar dor persistente, que não pode ser controlada com medicamentos e até mesmo dificuldades respiratórias, causadas pela compreensão dos pulmões e vias respiratórias.

Em casos mais raros, pacientes com cifose podem apresentar complicações quando os nervos que atravessam a coluna vertebral ficam comprimidos. Isso pode perturbar sinais nervosos e causar sintomas como: dormência ou fraqueza nos braços e pernas, problemas com senso de equilíbrio e perda de controle da bexiga ou do intestino.

O diagnóstico, no primeiro momento, é feito com um exame clínico minucioso, com análise do paciente de frente, de costas e de perfil. Caso necessário, o profissional pode solicitar exames de raio x da coluna, para medir o grau da curvatura e identificar todas as lesões que afetam as articulações e os discos. Em alguns casos, pode ser necessário realizar uma tomografia computadorizada ou até mesmo uma ressonância magnética.

Tratamentos para cifose

Somente após a realização dos exames o médico poderá indicar o melhor tratamento e apresentar ao paciente as opções. O tratamento levará em conta a idade do paciente, o grau e padrão da curvatura, as características da deformidade instalada e a intensidade da dor.  O objetivo é interromper a progressão do transtorno, recuperar as funções da coluna vertebral e aliviar os sintomas.

Nos casos em que o paciente não apresenta dor e o grau da lesão é pequeno, o tratamento pode ser conservador, com fisioterapia, pilates e exercícios para fortalecer a musculatura da coluna. No dia a dia, o médico poderá indicar o uso de palmilhas e coletes ortopédicos.

O exercício físico regular e fisioterapia podem ser recomendados para ajudar a fortalecer os músculos em suas costas. A dor nas costas também pode ser aliviada através da manutenção de um peso saudável e de atividades que reforçam os músculos.

Quando a cifose é mais grave, o médico pode indicar cirurgia da coluna para tratar definitivamente a doença e fazer a correção do desvio.

A cirurgia é realizada quando a curvatura da coluna vertebral é muito pronunciada, quando a curvatura causa dor persistente que não pode ser controlada com medicação, está prejudicando outras funções importantes do seu corpo, como a respiração e o sistema nervoso e sem a cirurgia é provável que a estrutura da sua coluna se deteriore ainda mais.

O procedimento cirúrgico mais comum para tratamento da cifose é a fusão vertebral e só é recomendado para pacientes adultos em situações muito especiais.

A cirurgia consiste na incisão de varetas metálicas (parafusos e ganchos) nas costas, alinhando e juntando a coluna no lugar, utilizando enxertos ósseos. Enxertos ósseos geralmente usam matéria óssea doada mas pode ser retirada de outros lugares do seu corpo, como a pélvis.

O processo leva de quatro a oito horas e é realizado sob anestesia geral. Normalmente, o paciente permanece por uma semana no hospital e deve fazer uso de um colete nas costas por até nove meses para apoiar a sua coluna enquanto ela cura.

O paciente é capaz de voltar às atividades normais, como ir à escola e trabalhar, depois de quatro a seis semanas e praticar esportes após um ano do procedimento.

Por se tratar de um procedimento invasivo, todos os riscos e benefícios devem ser avaliados e analisados pelo médico e paciente. Nenhuma cirurgia pode ser realizada sem o consentimento do paciente e sem conhecer suas possíveis complicações. Converse com o seu médico antes de tomar qualquer decisão.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião de coluna vertebral em Cuiabá!

Comentários
Dr. Carlos Augusto Costa Marques

Posted by Dr. Carlos Augusto Costa Marques